quinta-feira, setembro 07, 2006

(...) entrámos e comprámos e comemos: a cabeça baixa fita nas bandejas, envergonhadíssimos do nosso descontrolo, evitando a culpa nos olhos um do outro.
Mas estava a saber-nos tão bem, porra, comprámos mais: o estômago parecia abrir-se á carne como o mar ao profeta. O meu amor arrotou, eu respondi «saúde» e um fio de riso começou a sacudir-lhe os músculos, a sacudir-me os músculos, nós de boca cheia cada vez mais ridentes, agora cómicos por causa roxidão dos engasganços; e pouco depois chegaram sem retorno as gargalhadas sonoras, abertas, javardas, os comensais do lado «olha os maluquinhos», mas a rir também e a fazer rir os próximos, peças de dominós caindo umas sobre as outras; e havia já quem se rebolasse nos ladrilhos, empregados que batiam os MacBonés no balcão, cáries expostas, lábios escorrendo ketchup como sangue de hemorragias internas e perdigotos de bolos alimentares insolúveis cruzando o espaço.
Saímos para a rua com os rins doridos e, enquanto vomitávamos na sarjeta, ocorreu-nos ir ao pinhal recuperar a muleta de alumínio lacado. Achámo-la logo à primeira – lembrávamo-nos muito bem do sítio –; e, ainda excêntricos dos últimos acontecimentos, quisemos ter uma hora sexual contra um pinheiro. Dele, baloiçando brutamente às minhas brutas investidas, soltou-se uma pinha sobre a nuca do meu amor. «Ai», protestou – e ocorreu-me logo a anedota da formiga e do elefante: «dói, não dói?» (meu deus, quanto riso há dentro de uma pessoa?, que não sei onde fomos buscar mais aquela dose).

António Gregório

linglaterra^2005

2 comentários:

Pedro Pereira disse...

AAAAHHHHHH!! Brutal ;-)
Parecido com isto só a poesia erótica do Bocage!! Faltasteis a uma sessão em Odivelas =;-)
Posso mandar a uns amiguinhos meus??
Bjs
Pedro Pereira

supertatas disse...

organizem outra! sim! sim!
:D